Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo (7Letras, 2014)
Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo (7Letras, 2014)

Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo, é a edição bilíngue dos poemas de Krakatoa, publicado originalmente pela editora argentina Zindo & Gafuri, 2012. Na tradução das poetas Marilia Garcia e Luciana de Leone, os versos de Anibal fluemcom vivacidade e verdade no ritmo e no som do português, revelando seus experimentos, jogos e movimentos para os leitores brasileiros.

O deslocamento é um tema constante da poesia de Anibal Cristobo. Fronteiras elinhas de navegação se cruzam nesses poemas marcados por cenários imaginários,numa geografia poética emotiva, divertida, complexa. Países, cidades, e cenas sesucedem o ritmo da película cinematográfica; lugares como o pântano, o matagal, odeserto. Personagens como a filha do capinzal, o cowboy e o cacto escapam aqui e alinos poemas, como linhas de um diálogo maior, como sequências de um roteiro.

Como um micro-organismo mutável e mutante, Minha vida como bactéria contagiatodos nós, leitores, com suas histórias, emoções e vivências. Mesclando humor eternura em cenas que vão do inusitado ao kitsch, a poesia de Anibal nos pega desurpresa, “procurando” com agilidade e simplicidade “algo nas profundezas”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *