Arquivos da categoria: PORTFOLIO

Furta-cores em Portugal

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail

Descobri por acaso que a Ana Lopes, autora do blogue literário O sabor dos meus livros escreveu essa resenha no link sobre o Furta-cores, meu primeiro livro de contos.
Feliz por ver o caminho de volta desse livro a Portugal, meu canto, e onde vários contos foram rascunhados; ver esse livro-barquinho remando e encontrando seus leitores ainda que sozinho, sem agente, nem gente, nem grande máquina editorial para dar aquela ajudinha

um pouquinho do texto da Ana:
“Desde as primeiras palavras do primeiro conto somos atingidos pelo poder, poesia e magia da escrita desta autora brasileira. A doçura, a sonoridade, os cheiros e a ternura que transportam as palavras que escreve e combina são memoráveis e fizeram com que fosse sublinhando e anotando trechos de uma beleza e sensibilidade que eu considero perfeitas, porque nos entram na alma e tocam no nosso lado mais íntimo e emotivo.”

+ aqui 

(atenção: deem uma olhada pelo blogue, a Ana dá dicas preciosas de leitura, e as resenhas são sensíveis, sinceras e críticas, com um olhar agudo e generoso, sem crueldade gratuita. Os leitores e autores agradecem: )

Orientes possíveis, de Mayumi Aibe

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
Orientes posssíveis (contos, 7Letras, 2015)
Orientes posssíveis (contos, 7Letras, 2015)

Se a arte da escrita pode ser invisível como a criação de um jardim – cada palavra disposta como pedra, cada frase trabalhada como o podar de um arbusto, a habilidade do autor como rastro do jardineiro anônimo, é nesse jogo de (in)visibilidade, talento e concentração que se erguem os Orientes possíveis de Mayume Aibe.

Num misto de ensaio, prosa e poesia, a autora recolhe sedimentos da memória – a sua e a de seus antepassados – para traçar com precisão minimal paisagens de pedras, poemas e histórias, que como ideogramas, se desdobram em leque de interpretações.

Continue lendo Orientes possíveis, de Mayumi Aibe

Autorretrato, de Raïssa de Góes

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail


O que constitui um autorretrato?– pergunta Raïssa. Como chamar de “eu mesmo” um objeto destacado de si próprio? Para pensar e escrever sobre esta categoria deretrato, a autora tira uma foto do próprio rosto, observa a imagem por segundos – dessa sequência de gestos surgem vozes, riscos e traços que, se parecem vir de um tempo ambíguo entre o futuro e o passado, ganham corpo no momento presente da escrita – e da leitura.

Continue lendo Autorretrato, de Raïssa de Góes

Comer animais, de Jonanthan Safran Foer

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail

Comer animais, de Jonathan Safran Foer (Rocco, 2010)

Jonathan Safran Foer sempre comeu carne, adorava o seu sabor, seu cheiro, sua textura; e como muitos de nós, tentava não pensar no itinerário percorrido pela carne até virar hambúrguer. Ao longo da sua juventude, o escritor oscilou entre o vegetarianismo sazonal e uma dieta onívora, que incluía desde bacons suculentos a um ingrediente menos saboroso – a culpa. Prestes a se tornar pai, ele começa a questionar mais seriamente suas escolhas de vida – é aí que a busca por uma dieta mais humana adquire, para ele, um caráter de urgência.

Foer percebeu que, antes de incluir produtos animais na dieta do filho, precisaria responder às seguintes questões: de onde vem a carne que comemos? Como os animais são tratados? Quais os efeitos econômicos, sociais e ambientais que todo este consumo de animais provoca? Para obter respostas, ele se infiltrou pela calada da noite em matadouros,  percorreu fazendas de criação e visitou seus abatedouros; conversou com fazendeiros, criadores, ativistas, vegetarianos e “carnívoros” convictos.

Além do valor nutricional, ele explorou o fator emocional presente em cada refeição, a relação entre comida e afeto, passada de geração em geração; pesquisou sobre a convivência ancestral entre homens e animais, os laços de utilidade e afeição que a rodeiam. O que ele descobriu, após três anos de pesquisa intensa,  mudou a sua relação com a comida – e poderá também mudar a sua.

Mais do que uma defesa do vegetarianismo, Comer animais  mostra que comer pode ser um exercício de ética, e que uma das maiores oportunidades de viver de acordo com nossos valores passa por aquilo que colocamos em nosso prato. Sem pregar nem ditar regras, longe de quaisquer radicalismos, Foer nos estimula a buscar uma dieta mais consciente, que respeite a nossa saúde, a dos nossos filhos e a do planeta. Legumes ou carne, frango orgânico ou industrial? São as decisões diárias mais simples que podem moldar – e mudar – o mundo em que vivemos.

São Sebastião Blues

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
São Sebastião Blues, de Myriam Campello (7Letras, 2012)
São Sebastião Blues, de Myriam Campello (7Letras, 2012)

Laura Morandi é a escritora bem-sucedida que nasceu para os holofotes. Famoso e rico, David coleciona mulheres e prêmios literários. Aurora escreve arrepiantes histórias infantis, Ceno, lê, come, edita. Julia é a autora insegura e reclusa cujo nome, além de intrigar curiosos, lança um flash de luz na memória de Laura.

Eles são a nata da literatura contemporânea nacional e estão envolvidos no maior prêmio literário do Brasil. No Rio de Janeiro ensolarado e azul, onde “mar e sol devoram tudo”, escrevem e reescrevem os seus enredos pessoais – tão universais – e enfrentam o embate diário entre o papel, o peito e o próprio pulso. Esses personagens se cruzam no tabuleiro de acasos e jogadas da vida, até que uma nova peça –  a jovem Leonora – chega para reavivar as faíscas entre dois corações.

Continue lendo São Sebastião Blues

Somente a verdade, de Fernando Paiva

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
Somente a verdade, de Fernando Paiva (7Letras, 2013)

Quando tinha apenas cinco anos, Mario Lucachesi  viu o pai embarcar em mais uma de suas viagens misteriosas, mas desta vez não mais para trazer os tão ansiados chocolates belgas – para nunca mais voltar. A foto da lápide e as lágrimas da mãe atestavam a morte do patriarca, mas Mario nunca se convenceu.

O menino cresce e se torna estudante de história, guia turístico premium, filho modelo e um legítimo membro do Clube dos Mentirosos; e como tal, mestre na arte de vender ilusões, criando histórias tão sofisticadamente ilusórias que soam mais verossímeis que a pobre realidade, tão nua e crua.

Continue lendo Somente a verdade, de Fernando Paiva

Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo (7Letras, 2014)
Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo (7Letras, 2014)

Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo, é a edição bilíngue dos poemas de Krakatoa, publicado originalmente pela editora argentina Zindo & Gafuri, 2012. Na tradução das poetas Marilia Garcia e Luciana de Leone, os versos de Anibal fluemcom vivacidade e verdade no ritmo e no som do português, revelando seus experimentos, jogos e movimentos para os leitores brasileiros.

Continue lendo Minha vida como bactéria, de Anibal Cristobo

Como se tornar um escritor cult de forma rápida e simples, de Rafael Gutierrez

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail
Como se tornar um escritor cult de forma rápida e simples (7Letras, 2013)
Como se tornar um escritor cult de forma rápida e simples (7Letras, 2013)

Ele poderia ser apenas mais um rapaz latino-americano de classe média, com família e emprego estável, se desde pequeno não fosse obcecado pela ideia de se tornar um escritor cult. Não é tarefa fácil – ou pelo menos não tão fácil quanto ser um best-seller ou um autor sério, reconhecido pela crítica. Para conquistar o estatuto de cult é necessário uma complexa combinação que envolve uso de pseudônimos, publicações raras, rebeldia em relação às convenções literárias e sociais, solidão, anonimato – além da genialidade, claro.

Nada que demovesse nosso aspirante a escritor cult. Com ajuda de dois amigos da Oficina Literária da Universidade, ele elabora um plano minucioso – que inclui leitura comparativa de grandes nomes da literatura e a escrita de obras que replicassem, com algumas variações decisivas, os estilos analisados.

Continue lendo Como se tornar um escritor cult de forma rápida e simples, de Rafael Gutierrez