Arquivo da tag: literatura norte-americana

Comer animais, de Jonanthan Safran Foer

FacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedintumblrmail

Comer animais, de Jonathan Safran Foer (Rocco, 2010)

Jonathan Safran Foer sempre comeu carne, adorava o seu sabor, seu cheiro, sua textura; e como muitos de nós, tentava não pensar no itinerário percorrido pela carne até virar hambúrguer. Ao longo da sua juventude, o escritor oscilou entre o vegetarianismo sazonal e uma dieta onívora, que incluía desde bacons suculentos a um ingrediente menos saboroso – a culpa. Prestes a se tornar pai, ele começa a questionar mais seriamente suas escolhas de vida – é aí que a busca por uma dieta mais humana adquire, para ele, um caráter de urgência.

Foer percebeu que, antes de incluir produtos animais na dieta do filho, precisaria responder às seguintes questões: de onde vem a carne que comemos? Como os animais são tratados? Quais os efeitos econômicos, sociais e ambientais que todo este consumo de animais provoca? Para obter respostas, ele se infiltrou pela calada da noite em matadouros,  percorreu fazendas de criação e visitou seus abatedouros; conversou com fazendeiros, criadores, ativistas, vegetarianos e “carnívoros” convictos.

Além do valor nutricional, ele explorou o fator emocional presente em cada refeição, a relação entre comida e afeto, passada de geração em geração; pesquisou sobre a convivência ancestral entre homens e animais, os laços de utilidade e afeição que a rodeiam. O que ele descobriu, após três anos de pesquisa intensa,  mudou a sua relação com a comida – e poderá também mudar a sua.

Mais do que uma defesa do vegetarianismo, Comer animais  mostra que comer pode ser um exercício de ética, e que uma das maiores oportunidades de viver de acordo com nossos valores passa por aquilo que colocamos em nosso prato. Sem pregar nem ditar regras, longe de quaisquer radicalismos, Foer nos estimula a buscar uma dieta mais consciente, que respeite a nossa saúde, a dos nossos filhos e a do planeta. Legumes ou carne, frango orgânico ou industrial? São as decisões diárias mais simples que podem moldar – e mudar – o mundo em que vivemos.